EFI lança sexta versão do Fiery proServer

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 03/08/2014

Nova versão do EFI Fiery aumenta sete vezes a velocidade de processamento de impressoras digitais

Nova versão do EFI Fiery aumenta sete vezes a velocidade de processamento de impressoras digitais

A EFI, fabricante de impressoras digitais, anunciou a sexta versão do Fiery proServer, servidor desenvolvido para rodar equipamentos de grande formato.

A solução apresenta a tecnologia RIP Fast (Fiery Accelerated System Technology), que processa arquivos PDF sete vezes mais rápido que a versão anterior do servidor. Além de rasterização, ele aumenta o desempenho do fluxo de trabalho, suporta o Fogra PSD Print Check e é compatível com mais de 540 impressoras de vários modelos e fabricantes.

A versão mais recente do Fiery proServer oferece maior facilidade de trabalhar o tiling (montagem). Além disso, fornece informações em tempo real sobre a impressora, os trabalhos em produção e os materiais consumidos.

A atualização para o Fiery proServer 6 está disponível gratuitamente para todos os clientes que usam versões anteriores da solução.

Fonte: EFI



Dispositivo imprime informações de produção no verso da mídia

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 07/02/2015

Informações impressas no verso da mídias ajudam a melhorar a comunicação interna dos birôs

Informações impressas no verso da mídias ajudam a melhorar a comunicação interna dos birôs

A Matan, fabricante de impressoras digitais, anunciou recentemente o lançamento do ID Backprint, dispositivo que estampa informações sobre os trabalhos no verso das mídias impressas.

Com a ferramenta, é possível marcar dados como identidade do arquivo digital, data e hora da impressão, modo de produção, nome do cliente, endereço de entrega e transporte, além de informações sobre embalagem, posicionamento, instalação e panelização.

O ID Backprint, que vem instalado em equipamentos Matan, registra as informações no verso do substrato paralelamente à impressão realizada na parte frontal da mídia.

As marcações feitas corretamente melhoram a comunicação entre birôs e clientes, evitam erros de produção e podem economizar tempo e dinheiro. Geralmente, elas são feitas nas margens dos impressos e, por isso, correm o risco de serem retiradas durante o acabamento, nos processos de corte e refile.

Algumas empresas fazem as marcações manualmente, o que pode acarretar erros e tomar tempo dos operadores. Foi pensando nisso que a equipe de desenvolvimento da Matan criou o ID Backprint e as marcações eletrônicas no verso das mídias, que tornam a produção e a comunicação mais eficientes e seguras.

ID Backprint é ferramenta que vem instalada em impressoras Matan

ID Backprint é ferramenta que vem instalada em impressoras Matan

Fonte: Matan Printers



Dicas para comprar o vinil adesivo correto para trabalhos de sinalização e comunicação visual

Por Eduardo Yamashita em 11/05/2015

O vinil adesivo oferece muitas vantagens. Na decoração ou no envelopamento de veículos, por exemplo, a película dá a oportunidade de sinalizar e comunicar sem danificar a superfície do carro ou da parede. Além disso, pode-se trocar essa comunicação em pouco tempo, prescindindo de materiais permanentes, como as tintas. Portanto, trata-se de uma estratégia acessível e de ótimo custo-benefício.

Saiba o que você precisa saber para escolher o vinil adequado para as suas produções

Veja o que você precisa saber para escolher o vinil adequado para as suas produções

Tipos de vinis adesivos

Em primeiro lugar, saiba que há vários tipos de películas adesivas. Elas podem ser classificadas conforme o PVC, adesivo ou liner:

PVC:

- Fabricação: cast, calandrado monomérico ou calandrado polimérico;
- Propriedade óptica: opaco, translúcido, transparente ou cristal;
- Acabamento: brilhante, fosco, semibrilhante ou semifosco.

Adesivo:

- Borracha;
- Acrílico: à base de solvente ou à base d’água (permanente, removível, reposicionável).

Liner:

- Sintético;
- Papel sem tratamento;
- Papel com tratamento sintético.

Essas características técnicas determinam o desempenho dos vinis:

- Calandrado x cast: espessura, aplicação e durabilidade;
- Monomérico x polimérico: durabilidade;
- Opaco x transparente x translúcido x cristal: passagem de luz;
- Brilhante x fosco x semifosco x semibrilhante: acabamento superficial;
- Adesivo de borracha x adesivo acrílico: durabilidade;
- Adesivo à base d’água x adesivo à base de solvente: durabilidade;
- Permenente x reposicionável x removível: adesão inicial e final;
- Liner: estabilidade.

Vinil cast e vinil calandrado

Aplicação: o cast pode ser aplicado em todos os tipos de superfícies (planas, curvas simples, curvas compostas, corrugadas, sem ou com rebites). Já o calandrado é limitado a superfícies planas e curvas simples.

Produção: o calandrado é produzido em calandras. O cast é confeccionado em equipamentos parecidos com os que fazem cobrimentos de materiais líquidos. Veja detalhes da produção de ambos os processos nesse outro artigo.

Custos de fabricação: as tecnologias e matérias-primas empregadas na fabricação do cast aumentam o custo do vinil. Portanto o cast é mais caro que o calandrado.

Características:

- Espessura: o cast é mais fino, ao passo que o calandrado é mais espesso;

- Flexibilidade: o cast é mais flexível, enquanto que o calandrado é mais rígido;

- Memória elástica: o calandrado tem mais memória;

- Durabilidade: as matérias-primas utilizadas nos filmes calandrados não proporcionam performances tão boas quanto às dos cast. Os filmes cast têm excelente durabilidade.

Saiba quando escolher entre o vinil cast e o calandrado

Saiba quando escolher entre o vinil cast e o calandrado

Na hora de escolher

Em primeiro lugar, você precisa entender o que o seu cliente precisa e deseja. Pergunte-se: qual é a durabilidade do projeto? Em qual superfície de aplicação ele será instalado? Qual é o processo de imagem que será utilizado? A escolha do vinil adesivo vai depender das respostas a essas questões.

Por exemplo, em superfícies de curvas simples ou planas, você pode utilizar qualquer filme. Mas as curvas complexas pedem vinis cast. Conhecer a durabilidade do projeto também é muito importante, pois os vinis calandrados têm menor desempenho que os cast.

No processamento da imagem, verifique a tecnologia utilizada: recorte eletrônico, impressão digital ou serigrafia. No caso da impressão solvente, a recomendação é que, depois de impresso, o material deve ser evaporado totalmente e, de preferência, muito rápido, para que a qualidade da película não se altere.

Assim, em trabalhos promocionais, deve-se usar vinis promocionais. Já trabalhos que exigem alta durabilidade, vão exigir películas de alta performance. Para aplicações em curvas complexas, use películas cast. Os backlits requerem películas translúcidas.

Na hora de comprar o vinil, atente-se aos seguintes itens:

- Procedência (fabricante);

- Validade (shelf life do produto);

- Boletim técnico (informações técnicas do produto);

- Garantia do produto;

- Suporte comercial e técnico.

 

***

Texto originalmente publicado com exclusividade no InfoSign, no dia 11 de maio de 2013.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis, envelopamentos de carro e comunicação visual.