EFI lança impressoras digitais na Fespa Digital 2016

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 14/03/2016
Vutek LX3 Pro esteve em exibição no estande da EFI na Fespa 2016

Vutek LX3 Pro esteve em exibição no estande da EFI na Fespa 2016

A EFI, fabricante de equipamentos, apresentou na Fespa 2016, feira internacional que ocorreu entre os dias 8 e 11 de março, uma série de novas impressoras digitais. Confira os modelos:

- Vutek FabriVU: equipamento indicado para produção de sinalização em tecido para publicidade em lojas de varejo, feiras e outras aplicações. Disponível com larguras de 1,8m ou 3,4m, a impressora emprega sistema patenteado de circulação de tinta para impedir o entupimento dos nozzles. Além disso, trabalha na velocidade de até 464m2/h ou na resolução de até 2.400dpi, com gotas de tintas que variam de 4 a 72 picolitros.

- Reggiani ReNoir Next 180: impressora indicada para o mercado têxtil industrial de decoração e vestuário. A máquina trabalha com tecidos e papel e possui sistema de impressão digital sem correia de 1,8m.

- Vutek LX3 Pro: UV LED híbrida, a impressora tem 3m de largura e pode trabalhar na velocidade de 318m2/h. Por ter cura “fria”, a máquina roda um número maior de mídias.

- Vutek HS125 Pro: oferece recursos que se aproximam da impressão offset. Pode trabalhar na velocidade de produção de até 125 quadros por hora, além de apresentar o sistema de cura LED UV Pin & Cure exclusiva. A Vutek HS125 Pro sucede a Vutek HS100 Pro.

- EFI H1625-SD: impressora UV básica. Com sistema de alimentação híbrido e 1,65m de largura, a máquina emprega tinta EFI SuperDraw UV para reproduzir imagens com qualidade fotográfica diretamente em substratos de termoformagem.

- EFI Matan Quantum LXr: rolo a rolo, a impressora dispara gotas com 7 picolitros e trabalha com resoluções de até 1.200dpi em quatro cores e opção de branco.

- Fiery proServer: plataforma atualizada de front-end digital possui a capacidade de processar arquivos de impressão 60% mais rápido do que as versões anteriores do proServer.

Fonte: EFI Brasil



Sign Supply cria divisão exclusiva de vendas de vinis adesivos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/01/2018
Sign House foi criada para distribuir produtos Orafol

Sign House foi criada para distribuir produtos Orafol

A Sign Supply, fornecedora nacional de materiais para comunicação visual, anunciou a criação da Sign House, divisão com foco na comercialização de vinis autoadesivos.

Segundo a empresa, a divisão é um projeto que também englobará um canal informativo exclusivo para manter seu público constantemente informado. As especificações dos produtos vendidos estarão disponíveis a partir de um filtro preciso.

A principal marca comercializada pela Sign House será a alemã Orafol, que atua há mais de 200 anos e atende às necessidades dos segmentos automotivo, refletivo, decorativo, de acessórios e comunicação visual. Os produtos Orafol são conhecidos por sua consistência e empregam o slogan “Projetados para um melhor desempenho”.

Cedina Moura, porta-voz da Sign House, declarou: “Visando aumentar nossos negócios, estamos em constante evolução. Realizamos estudos de mercado, ouvimos constantemente nossos clientes e marcarmos presença nas feiras e eventos mais importantes do setor, além da realização de treinamentos com nossos parceiros. Mantemos nossas redes sociais sempre atualizadas com novidades do setor e informações dos nossos produtos, visando mostrar ao mercado que somos referência no assunto”.

Fonte: Fespa Brasil



Fespa publica estudo internacional sobre impressão de grandes formatos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/05/2018
Censo 2018 apresenta tendências da indústria global

Censo 2018 apresenta tendências da indústria global

A Fespa, federação global de empresas de impressão, revelou os principais resultados da edição 2018 de seu censo internacional, realizado em parceria com a InfoTrends, uma divisão da Keypoint Intelligence, consultoria norte-americana especializada na indústria de imagem digital.

Para o estudo, foram entrevistados 1.405 (12% a mais que no censo anterior, de 2015) de 102 países. Os dados foram coletados em 2017 nos eventos da Fespa na Europa, Ásia, México, Brasil e África do Sul. A base do censo é de entrevistados que definiram seus negócios como: impressão digital (17%), serigrafia (15%), sinalização (10%), impressão em tecido e direct-to-garment (10%), impressão comercial e reprografia (13%), artes gráficas (11%) e embalagem (4%).

Embora a federação tenha destacado (abaixo) as principais informações do estudo, o censo completo é vendido por 2.000 euros aos não associados. Porém, os membros das associações nacionais da Fespa e da Fespa Direct receberão o relatório integral e gratuitamente.

Otimismo

Assim como em 2015, os empresários seguem esperançosos: 83% dos entrevistados afirmam estar otimistas com os seus negócios. Isso tem relação direta com a expansão contínua do mercado de grande formato, que tem crescido 4,2% ao ano desde 2007. Atualmente, a produção digital representa 44% da receita total, e nos dois próximos anos, a previsão do crescimento do volume de negócios é 53%.

Demandas dos clientes

A impressão tem se transformado cada vez mais como uma indústria de serviços. Isso porque birôs e gráficas têm atendido à tendência contínua de personalização em massa. No cendo, 72% dos entrevistados relataram um aumento na demanda por entregas mais rápidas, 61% veem a necessidade crescente de pequenas tiragens e 59% observam expectativas crescentes de entrega just-in-time (JIT).

Mix de produtos

Atualmente, na área de comunicação visual, a produção é dominada pelos banners: 68% dos entrevistados produzem regularmente esses itens. Metade dos consultados enxerga o potencial de crescimento desse nicho. Os entrevistados também destacaram as placas e os outdoors entre as aplicações mais demandadas.

O PDV ganhou força: 59% das empresas cresceram nessa área. Além disso, mais da metade dos consultados passaram a produzir um volume maior de aplicações autoadesivas, como envelopamento automotivo.

O crescimento contínuo do segmento de decoração impressa também ficou evidenciado: 74% dos entrevistados expandiram seus negócios nesse segmento.

Investimento em tecnologia digital

Para responder às demandas por prazos e tiragens mais curtas, as empresas têm investido em tecnologia digital. O aumento da capacidade produtiva é uma prioridade de investimento: 54% dos entrevistados citaram esse ponto como sua principal motivação para gastos de capital.

A redução de custos é um fator importante para 53%, enquanto a diversificação para novos mercados e ofertas de produtos continua sendo um foco de investimento para 53% dos entrevistados.

Padrões de evolução tecnológica continuam em 2018. Haverá crescimento de receita em UV, látex, sublimação e impressão direta, em contraste com o declínio das tecnologias solventes, aquosas e analógicas. Em 2018, 27% dos entrevistados do segmento de sinalização planejam comprar uma impressora inkjet UV (plana ou híbrida) e 18% planejam comprar uma látex ou UV rolo a rolo.

O que critério que mais peso na hora do investimento é a produtividade: 63% citaram a velocidade como o atributo mais importante em uma nova impressora. O nível médio de investimento entre as empresas de sinalização e comunicação visual é 43% maior do que em 2015, ficando em 144.600 euros.

Tecidos

O censo de 2018 revelou um quadro detalhado do crescente segmento têxtil. Entre os entrevistados estão empresas serigráficas com foco em aplicações têxteis, produtores de tecidos e empresas de direct-to-garment.

O predomínio é do segmento de estamparia de vestuário, com as aplicações de roupas esportivas e fast fashion apresentando maior de crescimento.

A adoção da estamparia têxtil digital é mais lenta que em outros segmentos. Em todos os nichos relacionados a tecidos, a produção ainda é dominada por processos analógicos. No entanto, entre as gráficas têxteis, 56% fizeram investimentos digitais e 19% pretendem fazê-lo nos próximos dois anos. Elas visam obter benefícios, como redução do tempo de colocação de novos produtos no mercado, produção de coleções criativas personalizadas e redução do impacto ambiental ao reduzir o consumo de água e energia.

A velocidade de produção é uma prioridade de investimento para 69% dos consultados da área de tecidos, e 55% querem a capacidade de imprimir diretamente em materiais não tratados. Esses investimentos são motivados pela redução de resíduos e rápida resposta aos picos sazonais.

As empresas de tecidos e serigrafia esperam que a contribuição digital para as receitas de impressão têxtil cresça 12% nos próximos dois anos.

Demandas ambientais

O conjunto de perguntas do censo de 2018 foi ampliado para que fosse possível obter insights sobre a importância da produção ambientalmente sustentável.

As respostas mostram que os investimentos ambientais são fortemente influenciados pelos clientes: 76% dos entrevistados disseram que a demanda dos clientes por produtos ambientalmente responsáveis está moldando a estratégia de negócios, e um em cada cinco declara que é uma grande influência.

E como as gráficas e birôs estão respondendo a essa demanda? Dos entrevistados, 32% usam equipamentos com baixo consumo de energia ou certificados ambientalmente. Outras respostas incluem: treinamento em sustentabilidade, uso de tintas livres de componentes orgânicos voláteis, uso de mídias recicláveis e programas de reciclagem.

Dos prestadores de serviços de impressão, 72% puderam investir em sustentabilidade sem aumentar os preços dos produtos. Isso preservou as vendas e manteve a competitividade.

Fonte: Fespa