DuPont apresenta novas tintas para impressão têxtil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/05/2016
Tintas Artistri foram melhoradas para atender novas demandas da indústria têxtil

Tintas Artistri foram melhoradas para atender novas demandas da indústria têxtil

A DuPont, fabricante de insumos gráficos, anunciou versões melhoradas das duas séries de tintas Artistri: a Brite DTG, indicada para impressoras direct-to-garment, e a RTR, voltada para impressoras de grande formato com sistema rolo a rolo. As linhas serão apresentadas na Drupa 2016, feira que ocorre entre os dias 31 de maio e 10 de junho, na Alemanha.

As tintas Artistri Brite DTG foram especialmente desenvolvidas para estamparias que desejam trabalhar com tecnologia de impressão digital direta em peças de vestuário. Segundo a empresa, os insumos reproduzem cores mais brilhantes e trabalham em ciclos de produção mais curtos. A DuPont também oferece tinta branca, que poder ser utilizada para estampar tecidos escuros.

Já as tintas pigmentadas RTR Artistri são indicadas para equipamentos com cabeças piezoelétricas que trabalham com fluidos de média e baixa viscosidade. De acordo com a DuPont, essas tintas oferecem cores mais brilhantes e garantem maior rendimento de produção em tecidos de algodão ou misturas de algodão.

Eric Beyeler, gerente de marketing da DuPont Advanced Printing, declarou: “As inovações implementadas na linha Artistri colocam essas tintas em um patamar mais elevado de qualidade. Elas são capazes de reproduzir cores mais brilhantes e melhoram a impressão, acrescentando vantagens competitivas aos nossos clientes”.

Fonte: DuPont



Oportunidade: impressora HP Látex 360 em condições especiais

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 07/12/2015
Desconto de quase 21 mil reais pode ser concedido na aquisição de uma HP Látex 360

Desconto de quase 21 mil reais pode ser concedido na aquisição de uma HP Látex 360

A HP Brasil está fazendo uma promoção para os interessados em adquirir uma nova HP Látex 360, impressora digital de grande formato com largura de 1,625m. A máquina, cujo custo é de R$ 95.937,00, sai por R$ 75.000,00 (preço base São Paulo com impostos inclusos). Porém, para obter o desconto de R$ 20.937,00, é necessário dar em troca uma plotter (impressora de grande formato) de qualquer marca e em qualquer estado de conservação.

A promoção é válida até o dia 31 de janeiro de 2016 ou enquanto durarem os estoques. A empresa recomenda que um vendedor seja consultado sobre informações de envio da placa lógica da impressora usada.

Segundo a HP, a impressora HP Látex 360 é ambientalmente saudável aos operadores e clientes. Além disso, realiza secagem instantânea da tinta depois de impressa em vinis adesivos, o que possibilita a instalação dos materiais logo após a impressão.

O equipamento também imprime em tecidos de poliéster e algodão (com ou sem tratamento), papéis de parede, lonas, filmes backlit, papéis fotográficos, papéis comuns, BOPP, couro sintético, ente outras mídias.

A HP Látex 360 pode trabalhar na velocidade de 17m2/h (em qualidade para ambientes internos) ou 31m2/h (em qualidade para ambientes externos).

Fonte: HP Brasil



A impressão digital em tecidos como ferramenta para reduzir impactos ambientais

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 23/07/2016
Além das qualidades técnicas e produtivas, a impressão digital têxtil pode ser uma grande ferramenta de sustentabilidade

Além das qualidades técnicas e produtivas, a impressão digital têxtil pode ser uma grande ferramenta de sustentabilidade

Os argumentos para a adoção de tecnologias de impressão digital têxtil são os mesmos usados em outros segmentos: possibilidade de estampar peças sob medida e em curto prazo, personalização e produção sob demanda. Além disso, a impressão digital reduz desperdícios e aumenta o controle sobre custos por minimizar o inventário. Mas há um benefício que parece superar todos os outros: a sustentabilidade.

Depois da agricultura, a produção têxtil é a maior poluidora de água do mundo, por causa sobretudo dos processos de tingimento. O Banco Mundial estima que o setor de tecidos é responsável por mais de 20% da poluição da água industrial. Para se ter uma ideia, de acordo com o governo britânico, a indústria têxtil do Reino Unido produz anualmente 3,1 milhões de toneladas de CO2, 2 milhões de toneladas de resíduos e 70 milhões de toneladas de água.

Fica pior. O tratamento, o tingimento e a lavagem dos tecidos também causam impactos no ar e no solo. Mais de 2 mil produtos químicos, como benzidina, toluidina, amoníaco, cloro e metais pesados são utilizados em vários agentes antiespumantes, corantes, detergentes e branqueadores.

A produção têxtil lida com dezenas de químicos tóxicos, como formaldeído, cloro, chumbo e mercúrio, que são despejados em cursos de água. Nitrogênio e óxidos de enxofre são emitidos de caldeiras, e apesar de os refugos têxteis poderem ser reciclados, grande parte deles acaba sendo direcionada a aterros.

Tecnologias que atenuam os impactos negativos na produção têxtil devem ser bem-vindas, sobretudo por grandes marcas que buscam melhorar seu desempenho socioambiental. A impressão digital é essa tecnologia. Ela é ainda pouco explorada no mercado têxtil. No entanto, está ganhando terreno, sobretudo entre empresas que precisam reduzir estoques e resíduos. Tecnologias como a Kornit Vulcan empregam um processo livre de água e trabalham com fibras naturais, sintéticas e mistas.

A impressão digital está avançando e tornando mais fácil adicionar determinadas características aos tecidos. Além disso, há revestimentos que podem conferir propriedades isolantes ao tecido ao bloquear a radiação infravermelha.

Tecidos podem receber revestimentos que amaciam e repelem insetos, fungos e micróbios, ou para torná-los retardante ao fogo e proteger o usuário de radiação UV. Os tecidos podem ser tratados para repelir sujeira e água ou para serem condutivos ou receber impressão com material fotovoltaico.

Levar essas informações aos grandes players da indústria têxtil deve ser o objetivo de todos os fabricantes de impressão digital têxtil. Devemos aprender com as experiências no setor comercial, o qual levou anos para reconhecer a impressão digital como um concorrente tecnológico válido.

O conhecimento sobre os benefícios da impressão digital nos setores de moda e tecidos ainda é pequeno, e isso tem de mudar.

 

Esse artigo foi escrito por Laurel Brunner e publicado no site da Fespa em 18 de julho de 2016. O Portal InfoSign foi responsável por traduzir e adaptar o texto.