Como resolver problemas na sublimação – Parte 1: Pré-impressão

Por João Leodonio em 08/11/2017
Saiba o que fazer para evitar e corrigir falhas na pré-impressão sublimática

Saiba o que fazer para evitar e corrigir falhas na pré-impressão sublimática

Às vezes, eles parecem insolúveis e onerosos. Porém, quando analisados friamente, podem ser solucionados com simples correções de processo. Estamos nos referindo aos problemas mais recorrentes na sublimação (sobretudo, na de pequenos formatos). Divido em três partes (pré-impressão, impressão e prensagem), este artigo lista as falhas mais recorrentes na produção de materiais estampados com a tecnologia sublimática. Mais importante: mostramos o que fazer para resolver e evitar tais problemas.Confira:

Problema: falhas encontradas na recepção de arquivos (baixa resolução, sem fonte, desenvolvido em Word ou craquelado)

Arquivos abertos ou em baixa resolução podem gerar problemas, como falta de definição, craquelado (ao ampliar) e perda de fontes ou imagens no fechamento.

Recomendação: recepcionar apenas arquivos em alta resolução. A sugestão é que as imagens estejam em arquivos fechados com, no mínimo, 300dpi. Assim, evita-se que, durante o fechamento no RIP, as imagens sejam alteradas ou perdidas.

Observe a diferença de qualidade entre os arquivos: na foto, um está com 70dpi (em baixa) e outro está com 300dpi (em alta)

xx

Problema: dificuldade em obter o resultado de cor esperado (perfil de cor)

É comum utilizar um único perfil para todos os serviços. Também é recorrente a falta de conhecimento na aplicação dos perfis. Ambos os casos geram inúmeros problemas na reprodução de cores, o que causa perda de tempo, materiais e dinheiro.

Recomendação: cada tipo de arquivo (reticulado, chapado) deve ter um perfil de cor, para garantir estabilidade, repetibilidade e economia no consumo de tinta, papel e tempo, sem comprometer a qualidade dos impressos.

É recorrente o problema de diferença entre as cores da prova e da impressão sublimática. Veja como evitar essa falha

xx

Problema: prova de cor (impressão digital) não bate com a reprodução final

Há provas feitas em dispositivos e tecidos diferentes da impressora e da mídia da produção. Também existem provas produzidas sem respeitar padrões de tempo e temperatura na prensagem.

Recomendação: a prova de cor deve ser impressa diretamente da máquina que imprimirá o serviço. Além disso, deve ser prensada no tecido e nas condições de tempo e temperatura que o cliente utilizará. Assim, evita-se a diferença de cor entre prova e produção. Recomenda-se não realizar alterações na arte depois dela ter sido aprovada. Se isso ocorrer, é necessário providenciar uma nova aprovação.

Use um perfil de cor para cada tipo de imagem, para evitar problemas na reprodução das imagens

xx

Problema: prova de cor (impressão offset) não bate com a reprodução final

A prova produzida na plotter da pré-impressão não bate com a cor impressa em offset. A empresa não faz calibração das impressoras (offset e digital). A falta de calibração gera atrasos e perdas de tinta e papel.

Recomendação: a prova de cor deve ser impressa em plotter com o perfil de cor equalizado com a impressora offset. Trata-se de um serviço feito por profissionais especializados, que utilizam um test form (ferramenta para verificação das condições da impressora) na impressora offset. Com o resultado obtido, é gerado um perfil de cores para a plotter. É possível, também, prensar no mesmo tecido da produção. Isso é chamado de “aprovação em máquina”, na qual o cliente aprova as folhas da impressão offset prensados no tecido usado na produção. Porém, esse processo é pouco empregado, devido ao alto custo de hora/máquina e chapas.

xx

Problema: arte aprovada por celular ou computador não calibrado (e ela não bate com a produção)

Fazer aprovação via fotos de celular ou imagem enviadas por qualquer meio eletrônico é um dos procedimentos que mais geram problemas de diferença de cores. As configurações das telas de celular e computador variam muito. Portanto, o que se vê na tela de quem envia é diferente do que se vê na tela de quem está recebendo. Pior: ao rodar o serviço, surge um terceiro resultado.

Recomendação: aprovação no tecido que será utilizado na produção. Também há a possibilidade de fazer a aprovação digital via imagem. Porém, os terminais da aprovação e de conferência na produção deverão estar devidamente calibrados.

 

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático

 



Ampla apresenta impressoras na Serigrafia Sign 2014

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 05/05/2014

Impressoras sublimáticas, solvente e UV serão apresentadas pela Ampla na SGIA

Ampla exibirá portfólio de impressoras com variadas tecnologias

A Ampla, fabricante brasileira de impressoras digitais, faz 10 anos e, para comemorar o ensejo, apresentará as seguintes impressoras digitais na feira Serigrafia Sign 2014:

Targa XT LED UV

Emprega paleta de cores CMYK (branco opcional) e duas unidades de cura fria (UV LED). Possui 3,2m de largura de impressão nos modelos com 6, 16, ou 20 cabeças (de 7pL). A empresa disponibiliza a opção com 1,8m de largura e 6 cabeças. A mesa extensora, vendida como opcional, permite a impressão em substratos rígidos leves de até 5mm de espessura.

Targa XT

Trabalha com resolução de até 1.200dpi e cabeças de 7pL. Disponível na largura de 3,2m (modelos de 4, 8 e 16 cabeças) ou de 1,8m (modelo com 4 cabeças). A mesa extensora, vendida como opcional para os modelos SV, permite a impressão em materiais rígidos leves (de até 5mm de espessura) compatíveis com tinta solvente.

Targa XT Aquatex

Voltada para estamparia digital, a impressora sublimática tem largura de impressão de 1,8m, em modelos com 4, 8 ou 16 cabeças. Opera na velocidade máxima de 229m²/h. Utiliza tinta Aquatex à base d’água.

Samba XT 3216

Trabalha na resolução de 1.200dpi e 16 cabeças de 7pL. É capaz de imprimir até 284m²/h.

Targa UV

Impressora flatbed equipada com 16 ou 24 cabeças, que podem ser combinadas com cores CMYK, branco e verniz. Projetada para imprimir substratos rígidos com espessura de até 5cm, a Targa UV conta com duas unidades de cura UV LED e é capaz de suportar substrato de até 400kg, alocado na mesa de impressão de 2,44m x 1,22m. Apresenta sistema eletrônico, que cria quatro áreas independentes de vácuo, para fixação e flutuação de mídias.

Fonte: Ampla Digital



Nova cabeça de impressão RC1536

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 19/05/2016
C1536, da SII Printek, vem equipada com sistema de circulação de tinta

C1536, da SII Printek, vem equipada com sistema de circulação de tinta

A SII Printek, parte do Seiko Holding Group, anunciou a RC1536, cabeça inkjet com sistema de circulação de tinta. Com 108mm de largura de impressão, 1.536 nozzles ativos e 360 nozzles por polegada, o dispositivo apresenta oito níveis de greyscale e opera na frequência de 40kHz e baixa voltagem.

Capaz de disparar gotas de tinta com volumes que variam de 13 a 100 picolitros, a RC1536 apresenta largura maior para permitir que as barras de impressão sejam configuradas com um número menor de cabeças. De acordo com a empresa, o dispositivo também foi desenvolvido para trabalhar em baixa tensão e reduzir o investimento em componentes eletrônicos, além de oferecer o benefício de consumir pouca energia.

A estrutura da RC1536 mantém a tinta circulando em alta velocidade imediatamente atrás dos nozzles. Isso assegura que os nozzles se recuperem automaticamente de eventuais bloqueios, o que elimina a necessidade de limpeza de rotina durante a operação e reduz o desperdício de tinta.

A tinta fica em circulação constante e sempre pronta para ser disparada, o que elimina a purga antes das impressões. O fluxo constante de tinta no interior da estrutura remove bolhas e impurezas e previne a sedimentação de pigmentos.

A RC1536 pode ser adaptada a uma variedade de aplicações, como cerâmica, papelão ondulado, tecidos, vernizes, impressão 3D.

A fabricante presta suporte internacional por meio de sua central no Japão e de centros na Europa e nos EUA.

Fonte: SII Printek