Como escolher prensa térmica para sublimação

Por João Leodonio em 22/12/2017
Plana, cilíndrica e cônica: saiba qual é a mais adequada para o seu negócio

Plana, cilíndrica e cônica: saiba qual é a mais adequada para o seu negócio

Na hora de adquirir uma prensa para sublimação, pergunte-se: em qual mercado vou atuar e quais formatos e quantidades quero atender? Com base nas respostas, será muito mais fácil pensar no tipo de prensa mais adequado para o seu negócio.

A mídia (televisão e redes sociais) vende muitas “soluções mágicas” para ganhar dinheiro com prensa térmica. Mas atente-se a essas propostas. A decepção por um investimento ruim e sem orientação pode ser maior do que a empolgação no momento da compra. Portanto, gastar tempo com pesquisa é melhor que você pode fazer para não frustrar um negócio promissor.

Prensa térmica plana para pequenos formatos

Com formatos que variam entre 23cm x 35cm e 50cm x 70cm, essas prensas podem vir ou não suporte (na maioria sem, e o comprador deverá confeccionar uma bancada ou pé) com uma ou duas bandejas, nas voltagens 110v ou 220v (recomenda-se as de 220v, por serem mais econômicas). Elas podem ser manuais, pneumáticas ou elétricas.

Recomenda-se adquirir um equipamento que atenda as medidas máximas dos produtos a serem prensados, além de escolher a voltagem mais econômica e preferir as marcas nacionais, por geralmente oferecerem uma assistência técnica mais ágil.

Prensas planas podem ser manuais, pneumáticas ou elétricas

Prensa térmica plana para formatos grandes (sublimação total)

A partir do formato de 50cm x 70cm, há dezenas de opções de dimensões de prensas planas para grandes formato. Também são encontradas com ou sem suporte, com uma ou duas bandejas (laterais ou sobrepostas), nas voltagens 110v ou 220v. Podem ser manuais, pneumáticas ou elétricas.

Como trata-se de um investimento maior, recomenda-se pesquisar muito e levantar a relação custo x benefício antes de adquirir o equipamento. Indica-se evitar as marcas importadas, por conta da má ou ausência de assistência técnica.

Prensa térmica cilíndrica e cônica

Há uma grande oferta de prensas térmicas cilíndricas com adaptações para sublimar objetos cônicos, geralmente sem suporte e nas voltagens 110v e 220v.

Há muitas ofertas e fabricantes, porém é importante desconfiar. Como nos casos das prensas planas, recomenda-se fugir das prensas importadas por conta da assistência técnica falha ou inexistente. As nacionais são, normalmente, mais caras, porém são vendidas por empresas que oferecem reposição de peças e manutenção muito melhor do que as concorrentes importadas.

Recomenda-se evitar promoções de pacotes (8x1 e 5x1), pois nos kits oferecidos algum dos produtos vão servir apenas para desencalhar o estoque do fornecedor.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático

 



Fujifilm apresentará nova impressora Inca Onset na Fespa 2014

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 13/03/2014

Série Q da linha de impressoras Inca Onset será exibida na feira europeia

Série Q da linha de impressoras Inca Onset será exibida na feira europeia

A Fujifilm, fabricante de impressoras digitais, terá estande na Fespa Digital 2014 e exibirá a nova Inca Onset Q, equipamento de grande formato indicado para produções volumosas.

Os visitantes da feira europeia poderão ver a máquina em funcionamento e terão oportunidade de checar a alta produtividade da mais recente adição à linha Inca Onset (que já havia sido apresentada nos EUA).

A fabricante vai aproveitar o evento para lançar mais duas tintas digitais UV: a Uvijet OH (com alta adesão) e a Uvijet OL (de pouco odor e indicada para substratos corrugados, para a composição de displays e embalagens).

A Fujifilm também destacará a impressora industrial Uvistar Pro8, cuja nova versão emprega tinta branca.

Fonte: Image ReportsMag



Tecnologia inkjet é introduzida na fabricação de telas OLED

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 22/11/2013

A Kateeva, empresa californiana de tecnologia, anunciou o Yieldjet, equipamento de impressão a jato de tinta (inkjet) projetado para produzir grandes volumes de OLEDs. É a primeira solução no mundo com tal finalidade.

De acordo com a empresa, a máquina pode baratear o custo de produção dos diodos, pois oferece uniformidade ao filme de revestimento e possui uma câmara de nitrogênio, que pode dobrar o tempo de vida útil do diodo.

Yieldjet: impressora a jato de tinta de grande formato usada na confecção de OLDEs

Yieldjet: impressora a jato de tinta de grande formato usada na confecção de OLEDs

Conor Madigan, presidente da Kateeva, declarou: "A impressora Yieldjet vem para acabar com problemas técnicos que estavam dificultando a fabricação em larga escala de OLEDs. Estamos animados em fazer valer essa nova tecnologia."

Atualmente, a fabricação de OLEDs passa por dificuldades e gargalos, pois emprega a técnica de evaporação a vácuo de máscaras. Trata-se de um artifício simples, mas ineficiente. A impressão a jato de tinta é considerada a substituta ideal em função de sua arquitetura, desempenho e maior confiabilidade de processo, além de aumentar a vida útil dos diodos

Mercado

As televisões de 55 polegadas de OLED chegaram ao mercado este ano. Jennifer Colegrove, presidente da Touch Display Research, prevê que em 2014 as tevês OLED vingarão e que em 2020 esse mercado alcançará 15,5 bilhões dólares.

As tecnologias de informática que utilizam OLED também têm futuro auspicioso. Na visão da IHS Inc, a receita em 2013 desse mercado deve chegar a 21,9 milhões. Em 2014, esse número deve pular para 94,8 milhões de dólares. Para 2020, a previsão é de 5,5 bilhões de dólares.

Tecnologia OLED tende a crescer nos próximos anos

Tecnologia OLED tende a crescer nos próximos anos

Fonte: Kateeva