Celso Bento sucede Takao Shirahata na presidência da Roland DG Brasil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 26/03/2013

Celso Bento, novo presidente da Roland DG Brasil

Celso Bento, novo presidente da Roland DG Brasil

Depois de três anos de preparação, Celso Bento, até então vice-presidente da subsidiária brasileira da Roland DG, fabricante japonesa de impressoras digitais, assume de vez a presidência da companhia, que havia sido ocupada por Takao Shirahata há duas décadas.

A sucessão ocorre em um momento importante para a empresa. Até o início de 2013, a Roland DG era apenas um segmento do grupo Roland, que, entre outras atividades, também fabrica instrumentos musicais. Porém, recentemente, ambas (Roland e Roland DG) foram divididas, transformando-se em duas companhias independentes. Esse processo foi coroado com a nova presidência (do executivo Celso Bento), bem como de uma solenidade, realizada no dia 12 de março, na sede da empresa, em Cotia, São Paulo.

A ocasião, prestigiada por revendedores e profissionais da Roland DG Brasil, foi iniciada por Kevin Shigenoya, executivo da Roland Corporation do Japão. Em discurso, Shigenoya enfatizou a solidez econômica do Brasil e comentou sobre as oportunidades trazidas pelos próximos grandes eventos esportivos. Falou também sobre a criatividade de seus clientes brasileiros e encerrou o discurso tecendo comentários sobre os dirigentes da companhia: "O Sr. Takao Shirahata, que lidera os negócios da DG – que apresentaram um crescimento drástico e com muito sucesso –, deixará os negócios da DG, a fim de se concentrar na Roland Musical. E o Sr. Celso Bento, que trabalha em conjunto com o Sr. Shirahata, irá suceder a presidência para o futuro".

Em seguida, discursou Shirahata. O executivo, que passou a tutelar apenas o segmento de instrumentos musicais, explicou que todo o êxito da companhia (DG) só foi possível por causa dos profissionais que lá passaram e trabalham: "O sucesso não se alcança sozinho, mas sim com a contribuição de muitas pessoas; graças ao empenho e à dedicação dos profissionais envolvidos". Shirahata também fez um breve apanhado da história da empresa – que se confunde com a própria história da comunicação visual no Brasil.

Concluindo a solenidade, Celso Bento agradeceu a confiança nele depositada desde a sua contratação em 2006, bem como a sua promoção para vice-presidente, em 2010. Em discurso, Bento enalteceu a amizade e o companheirismo que tem com o Sr. Shirahata, o que pretende manter mesmo a distância. O novo presidente também agradeceu a Roland DG Corporation por ter-lhe confiado as operações da empresa no Brasil.

Fonte: Roland DG Brasil



Akad lança programa de locação de impressoras, gravadoras e equipamentos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 22/03/2017
Sistema de locação abrange vários tipos de máquinas para sinalização e identificação

Sistema de locação abrange vários tipos de máquinas para sinalização e identificação

A Akad, fornecedora nacional, anunciou um novo sistema de locação de equipamentos. A empresa disponibiliza planos de 24 e 48 meses, com garantia e suporte especializado por todo o período. O objetivo do programa é facilitar o acesso dos clientes a diversas soluções por um tempo determinado ou para atender a uma demanda específica.

Segundo a empresa, uma das vantagens da locação é atualizar o parque tecnológico conforme a demanda mercadológica. A proteção da liquidez, a ausência de despesas de depreciação, a adequação de fluxo de caixa e a facilidade no gerenciamento de custos são outros benefícios do sistema de locação.

A mensalidade pode ser sustentada pelo retorno da produção do equipamento, além de poder ser dedutível como despesa operacional, dependendo do regime tributário.

A renovação do contrato é opcional. Ao término, o cliente pode optar pela locação de um novo equipamento ou incluir uma nova máquina no contrato já vigente.

A Akad apresenta como exemplo a locação da impressora ecossolvente Novajet DX1080. Com menos de um salário mínimo e meio por mês, é possível locar a máquina pelo plano de 24 meses.

A empresa também disponibiliza equipamentos para identificação (impressoras de cartões PVC) e gravação (máquinas Laser Novacut).

Fonte: Akad



Ampla recebe alunos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/11/2017
Ricardo Lie, diretor de negócios da Ampla, palestrou para os alunos da UTFPR

Ricardo Lie, diretor de negócios da Ampla, palestrou para os alunos da UTFPR

No dia 23 de outubro, um grupo de 15 alunos do curso de Tecnologia em Design Gráfico da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) visitou a fábrica da Ampla Impressoras Digitais. A turma foi recebida por Ricardo Augusto Lie, diretor de negócios e sócio da Ampla e presidente da CSMEG (Câmara Setorial de Máquinas e Equipamentos Gráficos da Abimaq). Essa é a segunda turma da UTFPR a visitar a Ampla, que recebeu o primeiro grupo de alunos, do mesmo curso, no dia 17 de abril de 2017.

A visita à fabricante de equipamentos de impressão digital foi uma atividade da disciplina Produção Gráfica 2, que contempla processos de impressão e acabamentos gráficos em diversos substratos.

Ricardo Lie iniciou a programação com uma apresentação sobre a história e os equipamentos desenvolvidos pela Ampla, contextualizando a fabricante nacional no cenário brasileiro e global. Além disso, os alunos conferiram o showroom com equipamentos fabricados pela empresa.

Waleska Pacheco, professora que coordenou e acompanhou os alunos durante a visita, declarou: “As visitas técnicas são sempre enriquecedoras, principalmente quando eles conseguem visualizar o processo de produção completo, como no caso da Ampla, onde há o contato desde a fabricação do equipamento até vê-lo em funcionamento. Isso ajuda os alunos a entender melhor o que foi transmitido em sala de aula de forma teórica. Agradeço, em nome da UTFPR, a oportunidade de participar do programa Portas Abertas da Ampla”.

Christian Vinicius Bazyl De Franca, aluno da turma que visitou a fábrica, declarou: “Foi muito interessante. É um pedaço do mercado com o qual não estamos acostumados a conviver e visitar e, por isso, entender como os equipamentos funcionam e como são projetados foi muito importante e enriquecedor”.

Fonte: Ampla