Aplicação de vinil adesivo: a seco ou úmida

Por Eduardo Yamashita em 27/06/2015

Conheça prós e contras de cada um dos métodos de aplicação

Conheça prós e contras de cada método

Na hora de adesivar vinis, em uma parede ou ao fazer o envelopamento de carros, os profissionais de instalação e aplicação deparam-se com uma dúvida elementar: usar método úmido ou a seco?

A diferença entre eles é a presença (ou não) de água, elemento cujo objetivo é criar uma "película" entre o adesivo (cola) e a superfície. A água diminui a aderência (tack) inicial do adesivo. Isso facilita a aplicação, pois o adesivo fica com menos área de contato com a superfície.

Na aplicação úmida, é possível reposicionar o vinil até que o aplicador encontre a posição correta da película. No método a seco, como a aderência é total, não é possível fazer o reposicionamento do vinil.

Cada método tem prós e contras, resumidos a seguir:

  Vantagens    Desvantagens
Aplicação úmida
- Baixa adesão do adesivo (cola) à superfície;
- Reposicionamento total do vinil;
- Facilidade nos encaixes entre vinis.
- Adesão inicial mais demorada;
- Elevado tempo de instalação (em função da secagem da água);
- Necessário ambiente adequado para trabalhos com água;
- Limitado a superfícies planas ou curvas simples.
Aplicação a seco
- Não precisa de tempo adicional antes do acabamento;
- Poder ser usado em qualquer superfície.
- Necessário uso de fitas de posicionamento da imagem;
- Alta aderência do adesivo (cola) à superfície;
- Difícil reposionamento.

 

A seco ou úmida

Uma pergunta bastante frequente é: Qual método devo utilizar? Para obter a resposta, você vai precisar saber o tipo de superfície sobre a qual será aplicado o vinil adesivo.

O método a seco é indicado para qualquer tipo de superfície. Já o úmido é indicado apenas para superfícies planas ou com curvaturas simples.

A diferença entre ambas é a aplicação de água

A diferença entre ambas é a aplicação de água

A pergunta seguinte é: Por quê? Porque, ao aplicar o método úmido em superfícies complexas (com curvaturas compostas e baixos relevos), não é possível remover toda a água utilizada no processo. Ou seja, o trabalho deixa resíduos entre o adesivo e a superfície, formando microbolhas de água — imperceptíveis após a aplicação.

Quando o vinil aplicado é submetido ao calor (do sol), as microbolhas levantam o vinil, que resseca com o tempo e acaba rompendo-se, causando estragos irrecuperáveis à imagem. Portanto, ao facilitar a aplicação, corre-se o risco de prejudicar todo o trabalho.

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

 

Texto originalmente publicado com exclusividade no InfoSign, no dia 27 de junho de 2013. Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis, envelopamentos de carro e comunicação visual.



Instaladores recebem certificação da Avery Dennison

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 06/12/2012

A Avery Dennison, fabricante de vinis adesivos, anunciou a recente certificação de 14 envelopadores no Canadá e nos Estados Unidos. Para receber o documento, os profissionais foram submetidos a provas (tanto prática quanto escrita). Antes do exame, todos passaram por treinamentos específicos.

Durante o programa, os interessados aprendem técnicas avançadas de instalação, voltadas para a garantia de um trabalho rápido e sem desperdícios. O material usado nas aulas é o "Avery Dennison MPI 1005 Supercast Easy Apply RS". O treinamento da Avery Dennison é dado por Justin Pate, instalador reconhecido mundialmente — e que esteve no Brasil para participar do Cambea 2012.

"A equipe da Avery dá os parabéns aos instaladores que obtiveram as certificações", disse Paul Roba, gerente técnico da fabricante de vinis. "Esses profissionais receberam um vasto treinamento, e seus conhecimentos foram checados", concluiu.

Todos os instaladores certificados entram para a lista CarWraps.net da Avery. Segundo a empresa, a página é visitada semanalmente por milhares de pessoas em busca de profissionais e empresas de reputação para serviços de envelopamento e adesivação.

Desde o lançamento (em 2011), o programa certificou aproximadamente 70 aplicadores.

Avery Wrap Training

Mais 14 profissionais foram certificados pela Avery nos EUA e Canadá

Fonte: Avery. Texto: InfoSign



Caldera é adquirida pela Dover

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 12/04/2017
Aquisição faz parte da estratégia da Dover de expandir suas ofertas têxteis

Aquisição faz parte da estratégia da Dover de expandir suas ofertas têxteis

A Dover, fabricante global de diversos tipos de produtos industriais, anunciou ter adquirido a Caldera, desenvolvedora francesa de aplicativos para impressão digital. O valor da compra foi de aproximadamente 35 milhões de euros.

A Caldera operará dentro da plataforma de “Impressão e Identificação” da Dover, em conjunto com a MS Printing Solutions e o Grupo JK, que servem ao mercado global de impressão digital têxtil.

Com receita anual de 11 milhões de euros em 2016, a Caldera tem 25 anos de experiência na criação de softwares de processamento de imagem, gerenciamento de cores e fluxo de trabalho para os mercados têxteis e gráficos.

Sediada em Downers Grove, Illinois (EUA), a Dover tem faturamento anual superior a 7 bilhões de dólares. Entre suas marcas estão a J-Teck3, a Kiian Digital, a Sawgrass Industrial, a MS Printing, a OK International, entre outras.

Robert A. Livingston, presidente da Dover, declarou: “Estamos satisfeitos pela aquisição da Caldera. Vamos aumentar a nossa posição já forte na impressão têxtil digital, que começou com a aquisição da MS. Além disso, essa transação demonstra nosso desejo e compromisso de expandir nossas ofertas”.

Fonte: Dover