Como é a adesivação dos carros Renault de Fórmula 1

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/05/2018
Equipe Renault tem um estúdio especial para produzir adesivos para seus veículos

Equipe Renault tem um estúdio especial para produzir adesivos para seus veículos

Em fevereiro, a equipe Renault revelou seu carro para a temporada 2018 da Fórmula 1: um bólido com design preto e amarelo e vários gráficos, marcas e logos impressos. Para essa composição, a montadora francesa usou (e usa) adesivos estampados e recortados por uma impressora Roland TrueVIS VG-640 e uma plotter Roland CAMM-1 GX, equipamentos instalados num centro técnico sediado em Enstone, na Inglaterra, onde os carros de corrida são projetados e fabricados.

Os carros da Renault, que competirão em 21 Grands Prix, serão exibidos por mais de 400 milhões de telespectadores. É uma exposição enorme, em que as marcas desempenham um papel essencial nos programas de patrocínio. Portanto, é preciso o máximo de zelo na reprodução delas. Se algum adesivo ficar avariado, a equipe deve substitui-lo imediatamente. Por isso, os carros sempre viajam com vários conjuntos de adesivos.

Joe McNamara, chefe de pintura e gráficos da equipe Renault de Fórmula 1, explicou: “A equipe sempre carrega 30 versões de cada adesivo. Isso equivale a cerca de 1.400 adesivos para cada corrida, e 80% deles são relacionados ao patrocinador. Então, eles precisam ser substituídos com precisão absoluta”.

Embora a equipe tenha suas próprias ferramentas, ela conta com o apoio dos usuários da Roland em todo o mundo, que podem imprimir os adesivos dos carros com rapidez e precisão, se necessário.

Além de impressora e plotter, o estúdio da Renault possui quatro fresadoras Roland MDX-540, para fabricar núcleos de espuma para algumas peças de carros que exigem esse material.

Fonte: Roland DG



Fotoprodutos e brindes com impressão por sublimação (Parte 1)

Por Jimmy Lamb em 21/05/2013

Amplie seus negócios fazendo fotoprodutos decorados com impressão por sublimação

Amplie seus negócios fazendo fotoprodutos decorados com impressão por sublimação

Fato: você precisa reinventar constantemente o seu negócio. Certamente você pode gerar mais receitas ao diversificar os seus serviços, ampliando a sua gama de clientes. Mas custa fazer mudanças. Então, como aumentar o seu negócio sem drenar a sua conta bancária? Uma das sugestões é entrar para o mercado de sublimação, que é um grande exemplo de alto RDI (retorno do investimento), não só porque é um processo de baixo custo, mas também porque abre as portas para um espectro grande de produtos rentáveis, como os fotoprodutos, por exemplo.

      Saiba mais sobre sublimação:

Definição de fotoproduto

Então vamos começar por definir o que é fotoproduto. Com certeza, não são fotos de familiares que se coloca na carteira. Num trabalho típico, temos imagens, textos ou gráficos personalizados, que são impressos digitalmente por meio da sublimação em substratos especiais, como o fotoproduto abaixo, que contém imagens relacionadas a esportes.

Exemplo de fotoproduto feito com impressão por sublimação

Exemplo de fotoproduto, com imagens de esporte

Fotoprodutos: como eles são impressos

Como esses itens são produzidos? Com sublimação. Sem dúvida, a sublimação é um método muito eficaz para a criação de fotoprodutos, porque o processo tem a capacidade de reproduzir imagens fotográficas com muitos detalhes e alta resolução.

Fotoprodutos sublimados podem ter várias formas, tamanhos, formatos e conceitos — o que significa muitas oportunidades. Sem contar que o custo dos substratos, produção e equipamentos é baixo.

Exemplos de prensas térmicas usadas para sublimação

Exemplos de prensas térmicas usadas para sublimação

Para começar na sublimação, você vai precisar de uma impressora desktop, tintas, papel transfer e prensa térmica. E os custos de produção são bem razoáveis ​​também. É claro que o preço que você vai cobrar nos fotoprodutos vai variar de acordo com o tamanho da imagem e das configurações que usou na impressora. Mas, em geral, a sublimação é um método de impressão de baixo custo.

Impressão por sublimação

Se você não está familiarizado com o processo de sublimação, saiba que ele é muito rápido e simples. Você pode criar uma imagem usando o software gráfico como o CorelDraw™ ou Photoshop™. Em seguida, basta imprimi-la no papel transfer, usando uma impressora que seja capaz de processar tintas de sublimação.

Você, então, usa o papel transfer e o coloca sobre o item a ser decorado. Usando uma prensa térmica, você deve aplicar calor de 200ºC, por cerca de um minuto. A combinação de tempo, pressão e temperatura promovem a transformação das sólidas tintas do papel transfer para um gás, o qual, em seguida, impregna nas fibras de polímero do substrato.

A sublimação permite a reprodução de imagem com alta definição

A sublimação permite a reprodução de imagem com alta definição

O resultado final é uma imagem permanente que não vai arranhar, descascar ou rachar (no caso de artigos de vestuário, a sublimação não vai desaparecer quando peça for lavada).

Então, obviamente, a sublimação só funciona com fibras de polímero, o que parece algo limitador. Mas não tenha medo, pois existem centenas de produtos especialmente preparados para esse fim, como painéis de fotos, telhas cerâmicas, garrafas de alumínio, placas metálicas, entre outros materiais. Enfim, há uma série de oportunidades de mercado para produtos sublimados, especialmente fotoprodutos.

Confira a segunda parte desse artigo.
 
Sobre o autor: Jimmy Lamb escreve e palestra sobre sublimação e impressão em tecidos mundo afora. Tem mais de 20 anos de experiência no negócio de vestuário e decoração. Atualmente, é o gerente de comunicação na Sawgrass Technologies.
 
Esse artigo técnico foi cedido, com exclusividade, pela Sawgrass ao portal InfoSign, que traduziu e adaptou o texto.



Roland DG doa equipamento para projeto Fab Lab Brasil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 09/12/2015
Laboratório brasileiro da rede Fab Lab recebeu uma modeladora da Roland DG Brasil

Laboratório brasileiro da rede Fab Lab recebeu uma modeladora da Roland DG Brasil

A Fab Lab é uma rede mundial de laboratórios de fabricação digital compostos por máquinas, softwares e ferramentas eletrônicas. Com o objetivo de democratizar tecnologias e incentivar o conhecimento aberto, cada unidade atua localmente para dar contribuições a diversos mercados internacionais. Criada há onze anos no IMT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), a rede atualmente possui 800 laboratórios ao redor do mundo.

No Brasil desde 2013, a Fab Lab vem ganhando força e recebeu recentemente uma doação da Roland DG, que tem uma parceria mundial com a rede desde o início do projeto.

Heloísa Neves, do Fab Lab, declarou: “As vantagens dos equipamentos Roland são diversas, principalmente porque são máquinas simples, de fácil manuseio e não dão problemas com manutenção. Fatores muito importantes, pois quando você coloca a tecnologia na mão de uma pessoa que está aprendendo, o equipamento precisa funcionar bem, para que a pessoa não fique frustrada”.

Para reafirmar a parceria, a Roland DG Brasil doou uma unidade da iModela, modeladora 3D compacta de fácil operação, que se encaixa facilmente em qualquer espaço de trabalho. O equipamento foi desenvolvido para explorar ao máximo a criatividade de quem opera.

De acordo com Willians Lotti, gerente de produto da Roland DG, essa doação é só o início: “Nosso objetivo é ampliar cada vez mais a parceria e mostrar para o mercado todos os benefícios de ter um equipamento Roland DG”.

Fonte: Roland DG Brasil