ABTG promove seminário sobre grandes formatos no dia 4 de junho

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 02/06/2014

No evento será lançada a cartilha de boas práticas em impressão de grande formato

No evento será lançada a cartilha de boas práticas em impressão de grande formato

A ABTG, Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica, promoverá no dia 4 de junho, das 18h30 às 21h45, um seminário para lançar a cartilha "Boas práticas para impressão em grandes formatos". O evento acontece no Auditório da ABTG, na Rua Bresser, 2315 – São Paulo (SP).

Indicado a empresários, gestores, técnicos e profissionais do segmento, o seminário é gratuito para assinantes e associados da entidade. Os não associados pagam 50 reais. Confira a programação:

  • 18h30: Abertura (Eduardo Yamashita);
  • 18h45: Boas práticas de impressão em grandes formatos – RIP e pré-impressão (Bruno Mortara);
  • 19h30: Manutenção de impressoras digitais de grandes formatos e insumos (Cássio Rodrigues);
  • 20h15: Coffe break;
  • 20h30: Qualidade que fica (ArtFix);
  • 21h15: Painel de debates (todos os especialistas).

Mais informações e inscrições: (11) 2797-6700 | digitec@abtg.org.br

Fonte: ABTG



Tipos de adesivos usados em vinil – parte 1

Por Eduardo Yamashita em 02/06/2015

Em dúvida sobre qual adesivo escolher? Artigo dá dicas para a decisão correta

Em dúvida sobre qual adesivo escolher? Artigo dá dicas para a decisão correta

Uso vinis com adesivo solvente ou acrílico? Qual a diferença entre adesivo removível e reposicionável? Quando um adesivo removível torna-se permanente? Essas são algumas perguntas comumente feitas por instaladores e que serão respondidas neste artigo dividido em duas partes. A matéria também aborda questões sobre compostos adesivos usados em filmes autoadesivos e examina suas forças, fraquezas e aplicações exclusivas.

Confira também a segunda parte deste artigo

As opções de adesivos compreendem polos opostos, como permanente ou removível. Qual é o melhor? Depende da aplicação. A maioria das opções diz respeito a domínios específicos, como envelopamento de veículos, imagens em parede e sinalização externa de longo prazo. Por exemplo, um adesivo que faz um perfeito envelopamento de uma Ferrari pode não funcionar em uma bicicleta. Então, qual deve ser usado? E quando? Confira as opções:

Adesivo à base d’água versus solvente

A diferença crítica entre esses dois adesivos está na maneira como eles respondem à presença de água e solventes. A diferença de preço entre eles também é um questão relevante. Os vinis com adesivo solvente tendem a custar um pouco mais, pois para serem fabricados requerem controles rigorosos e demandam compostos que podem ser inflamáveis e/ou emitem VOCs (compostos orgânicos voláteis). Os adesivos acrílicos são geralmente à base d’água e, portanto, custam menos para fabricar.

Vinil com adesivo acrílico

Os adesivos acrílicos são à base d’água, portanto, mais suscetíveis à umidade e aos solventes, o que afeta tanto a aplicação quanto a durabilidade dos vinis. Muitos instaladores gostam de usar água com detergente ao aplicar películas. Ela "lubrifica" o substrato de modo que ele pode ser deslizado durante a aplicação. Depois que a imagem é posicionada, a espátula empurra a água de debaixo do vinil pra fora, o que coloca a água em contato direto com o adesivo. Isso enfraquece a adesão do adesivo acrílico, resultando em menor aderência. Por conseguinte, leva muito mais tempo para que o adesivo cure sobre o substrato.

A durabilidade do vinil também é afetada. Depois de instalada, a película é exposta ao envelhecimento, e um adesivo aquoso não tem grande resistência às intempéries. Excesso de chuva ou umidade podem enfraquecer o adesivo e encurtar sua vida. Da mesma forma, se exposto a produtos químicos ou solventes (mesmo em formas gasosas), um vinil econômico não terá a durabilidade esperada – o que vai decepcionar o cliente. Se o ambiente estiver seco e isento de solventes, a imagem deve durar tanto quanto o previsto.

Adesivos à base d'água retraem com mais facilidade

Adesivos à base d’água retraem com mais facilidade

Durante a exposição, o excesso de umidade no ambiente pode ser um problema. Produtos com adesivos à base d’água mostram sinais de retração maior do que produtos com os adesivos solventes. Isso ocorre quando o material não está adequadamente armazenado ou quando sofre flutuações de umidade e temperatura. Todos os vinis adesivos devem ser armazenados em ambientes com umidade relativa do ar entre 50% e 60% e temperatura entre 15°C e 25°C.

Material de "emulsão adesiva"

Alguns fabricantes utilizam adesivos à base d’água sob um termo diferente. Como há um estigma contra acrílico, é possível ver o termo "emulsão" em muitos materiais. Emulsão é simplesmente outro termo para "à base d’água". No entanto, um vinil com adesivo de emulsão não é necessariamente um produto inferior. Ele apenas não foi projetado para uso em longo prazo. A chave é usá-lo em aplicações para as quais é adequado, como sinalizações interiores, decoração interior, sinalizações de promoção em curto prazo e banners promocionais. Se o vinil tiver de ficar exposto a intempéries por mais de quatro anos, este não é o produto correto.

Vinil com adesivo à base de solvente

Adesivos solventes são compostos por materiais mais resistentes. Eles não são facilmente diluídos pela umidade, nem são facilmente afetados por solventes industriais. Isso resulta em vinis que podem ser utilizados em aplicações úmidas, sem afetar drasticamente o tempo de cura.

Uma vez instalado, o vinil com adesivo à base de solvente não é afetado por chuva, umidade e exposição ocasional a solventes industriais e compostos orgânicos voláteis. Como já mencionado, o adesivo solvente é mais caro, mas é definitivamente o produto que vale a pena para aplicações externas em longo prazo.

Os vinis com adesivos à base de solvente podem ser usados para sinalizações em longo prazo, imagens em veículos personalizados e envelopamentos, identificação de frotas, sinalização de segurança industrial e de tráfego e muito mais.

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

 

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual



Agfa lançará impressora UV Anapurna H2500i LED na Drupa 2016

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 19/05/2016
Anapurna H2500i LED vem equipada com ferramentas que otimizam a produção

Anapurna H2500i LED vem equipada com ferramentas que otimizam a produção

A Agfa, fabricante de produtos gráficos, estará presente na Drupa 2016, feira que ocorre entre os dias 31 de maio e 10 de junho, na Alemanha. Durante o evento, a empresa pretende lançar a Anapurna H2500i LED, impressora UV híbrida indicada para birôs, gráficas digitais, laboratórios de fotografia e serigrafias de médio porte.

Com 2,5m de largura e conjunto de seis cores, o equipamento inclui ferramenta de aplicação de tinta branca como cor especial ou impressão de fundo em mídias transparentes para instalações backlit. Confira as principais características técnicas da impressora:

Lâmpadas LED

Equipada com lâmpadas LED de 16 watt/cm² refrigeradas por ar, a Anapurna H2500i produz menos calor e pode imprimir em um número maior de mídias, sobretudo em substratos mais sensíveis, como o estireno. Além de consumirem menos energia do que lâmpadas de mercúrio, os LEDs não precisam pré-aquecer nem passar por esfriamento.

Willy Van Dromme, gerente de marketing da área de sistemas de grande formato da Agfa Graphics, declarou: “As lâmpadas de mercúrio costumam durar cerca de mil horas de operação. Já a lâmpada LED dura praticamente o mesmo tempo de vida útil da impressora, ou seja, cinco anos. Além disso, a saída de energia permanece constante ao longo do tempo operacional dos LEDs, o que é um elemento importante na manutenção das qualidades físicas da impressão em relação à adesão, por exemplo”.

Alimentação de substratos

Em função do acionamento de correia reforçada e do feixe de transporte, a Anapurna H2500i LED oferece maior precisão no posicionamento dos pontos que compõem as imagens. Além disso, impressora pode empregar um alimentador automático opcional, para aumentar a produtividade. Trata-se de uma mesa que oferece automatização na impressão de grandes volumes de mídias de pequeno formato (até cinco placas podem ser impressas em paralelo).

Segundo a empresa, o carregamento de mídias é suave e preciso em função dos recursos automatizados, como a barra de registro e o ajuste de altura da cabeça. Já o sistema de vácuo controlado automaticamente, com quatro zonas, proporciona um vácuo uniforme durante o processo de impressão.

Sistema de impressão

Anapurna H2500i LED emprega cabeças que disparam gotas de 12 picolitros, o que garante a reprodução de cores sólidas, textos finos com 4 pontos e baixo consumo de tinta.

Durante a produção, pode-se monitorar os níveis de tinta por meio de um sistema dedicado a essa finalidade. A tinta branca é gerenciada por outro sistema separado, que inclui circulação, regulação por pressão e limpeza. Além disso, o tanque da tinta branca é equipado com um mecanismo de agitação que mantém o insumo adequadamente misturado.

Ferramentas técnicas

Além das ferramentas apresentadas acima, a Anapurna H2500i LED contém barra de posicionamento automático para registro de substratos rígidos, sensores de segurança de transporte para evitar que as cabeças toquem os substratos, barras de ionização para remover cargas eletrostáticas sobre o substrato e touchscreen e servidor bitmap interno com um HD de 1TB.

Fonte: Agfa